Com mais pessoas em casa, cuidando não apenas de seus jardins, mas do próprio bem-estar, o crescimento foi garantido pelas plantas ornamentais e pelas flores em vaso. No entanto, o setor sofre com as perdas acumuladas de 40% no setor de flores de corte, mais usadas na decoração dos eventos, ainda proibidos devido ao isolamento social. Os produtores aproveitam a época de festas para sugerir decorações naturais para o Natal e Réveillon. A Cooperativa Veiling Holambra vislumbra fechar 2020 com crescimento estimado entre 8 e 10% no faturamento geral, na comparação com 2019.

                        Nem tudo foram flores neste conturbado e pandêmico 2019. Mas elas fizeram a diferença para o consumidor que, isolado socialmente, aproveitou para cuidar do jardim e para decorar a casa com produtos naturais. As pessoas descobriram as flores e as plantas verdes também para garantir mais vida e alegria aos ambientes residenciais que passaram a servir também como escritório (home office) e escola. Embora em um primeiro momento, no início da pandemia e estabelecimento da quarentena, as vendas de flores e plantas ornamentais tenham sofrido a brusca queda de mais de 90%, ao longo do ano o mercado floricultor brasileiro foi se recuperando e fechará 2020 com crescimento geral de 10%. Quem ainda amarga os efeitos da pandemia são os produtores de flores de corte – mais usadas na decoração de casamentos, formaturas e outros eventos ainda proibidos de ser realizados – que acumulam, no ano, perdas de 40%.

O presidente do Ibraflor – Instituto Brasileiro de Floricultura -, Kees Schoenmaker, informa que, no geral, o crescimento do setor no Brasil será de 10%, porém fortemente concentrado nos vasos com flores e plantas verdes (ornamentais). Foi a partir de maio que esse setor começou a fase de recuperação, com o Dia das Mães, e a situação mudou. As demissões no setor, que chegaram, no máximo, a 10%, foram revertidas. Os produtores se readequaram, alguns mudaram os produtos (espécies e variedades de flores), mas, no geral, reagiram junto com a demanda.  “Para o próximo ano, 2021, a gente estima um crescimento entre 8% e 9%, com o pé no chão  e ainda considerando o impactado da Covid-19”, diz.

Para a Cooperativa Veiling Holambra (CVH), a mais importante do país, apesar de todos os contratempos vividos neste ano e da baixa sofrida pelos produtos de corte, devido ao cancelamento e à proibição dos eventos, a expectativa é de fechar o ano com crescimento entre 8% e 10% no faturamento geral, em relação a 2019. A avalição é feita pelo Departamento Comercial da Cooperativa. De acordo com os mais de 400 produtores da CVH, o papel da cooperativa foi fundamental para o enfrentamento da crise do setor.

Flores e plantas de Natal

Os produtores também tiveram importante papel para esses resultados. Mesmo sem os grandes eventos do setor, como o Enflor e a Expoflora, eles adequaram suas produções às demandas que foram surgindo, de forma a recuperar os granes prejuízos do início do ano. E pretendem concluir 2020 ainda com muito trabalhando, movimentando o setor por meio do oferecimento de produtos para a decoração das festas familiares que devem marcar o Natal e o Réveillon 2020. As plantas mais associadas à essas datas, como as tuias (pinheiros) e as poinsettias (bico de papagaio) sofreram, no geral, redução em torno de 15% no volume diante da incerteza motivada pela pandemia. A maior parte dos produtores não projetou crescimento no momento da reserva das mudas, que aconteceu no início do ano e, em alguns casos, houve, inclusive, redução do plantio. No entanto, a Cooperativa projeta um crescimento no faturamento em torno de 20% apenas dessas duas espécies.

No sítio Panorama, o produtor Renê Vernoy perdeu, durante a pandemia, todo o cyclamen plantado – mais de 100 mil vasos -, amargando prejuízos de R$ 1,5 milhão. Ele espera compensar a perda com as poinsettias e, pelo menos, empatar a receita. No entanto, enquanto a maioria reduziu a produção, ele investiu no cultivo de 140 mil vasos da flor para o Natal, no pote 11, que representam 40% a mais do que o produzido no ano passado, e mais 36 mil vasos no pote 14 (pretendia produzir 50 mil, mas teve problema com a qualidade das mudas). As flores foram plantadas no período de julho a setembro e começaram a ser vendidas logo após Finados. Ele espera vender toda a produção até a próxima semana. Para 2021, no entanto, não tem previsão. “As mudas, compradas em euros, tiveram mais de 30% de aumento e estão faltando materiais para embalagens (vasos, papelão etc.). Não sabemos se os consumidores conseguirão absorver esses aumentos de custos”, diz.

Shopping centers

Nos shoppings centers a decoração de Natal também inclui cada vez mais as flores e plantas. Arranjos nas cores verde e vermelha embelezam os corredores do Iguatemi Campinas neste final de ano, complementando a decoração de Natal do shopping e mantendo a tradição do centro de compras de criar projetos paisagísticos diferenciados nas principais datas comemorativas. “O paisagismo é um dos pontos altos da arquitetura não só do Iguatemi Campinas como dos demais shoppings da rede Iguatemi, tanto que possuímos um departamento exclusivo trabalhando diariamente para manter nossos vasos, canteiros e jardins sempre impecáveis. Os clientes adoram e aguardam ansiosamente para conferir o que será preparado pela equipe em cada uma das datas do comércio, sempre se surpreendendo com resultados incríveis”, afirma o gerente geral do shopping, Paulo Tilkian Filho.

               

O projeto paisagístico de Natal aprovado pelo Departamento de Paisagismo da rede Iguatemi chama a atenção com uma inusitada combinação de Kalanchoe dobrado vermelho e Tuia Strickta, apresentada de formas variadas. Instalados no início de novembro, os arranjos poderão ser admirados pelos visitantes até o dia 6 de janeiro de 2021. No total, foram utilizadas cerca de 4.600 mudas de Kalanchoe e 80 mudas de Tuia, todas produzidas em Holambra. O Shopping Iguatemi São Paulo utilizou as begônias na decoração.

Sugestões

Sugestões não faltam para enfeitar as casas com flores e plantas naturais para as festas natalistas que, este ano, por recomendação das autoridades sanitárias, devem ser restritas às famílias. Por isso, a decoração sugerida é bem mais informal e pode ser feita por quem não tem nenhuma experiência, fazendo uso da beleza natural das flores e plantas. Basta escolher a flor preferida e usar a imaginação. A Isidoro Flores, de Holambra, oferece várias ideias para que as suas roseiras participem das festas de Natal. Os vasos são comercializados em diversos tamanhos (pote 08, 11 e 15 e cuia 21). Vale lembrar que essas rosas precisam de luz e a rega deve ser feita por baixo do vaso. A ideia é que os vasos menores sejam colocados dentro das canecas temáticas (para presente) ou em taças de cristal, para a decoração. Os vasinhos também podem usar vidros reciclados como suporte ou colocados em composée em lindas caixas de papelão. Até na árvore artificial pode-se “plantar” a natureza. Nesta sugestão, os vasinhos de rosa são apoiados no aramado e mesclam-se aos enfeites pendurados.

    

Echevérias

O produtor de echeverias, Rodrigo van Kampen, pediu ao decorador Jab Passolini para criar os arranjos de Natal com a variedade Peacok. Conhecidas como “suculentas”, nome popular usado para várias espécies diferentes que acumulam água nas folhas e, portanto, exigem poucas regas, as echeverias são muito requisitadas por serem fáceis de cuidar: basta colocá-las em um local com boa luminosidade (área externa com luz ou, na interna, ao lado de uma janela) e regá-las só uma vez por mês ou quando perceber que a terra está muito seca. A echeveria tem o formato de roseta e, por isso, também foi apelidada de “rosa de pedra”. Pode ser utilizada tanto como destaque, como para preenchimento em vários tipos de arranjos, do rústico ao sofisticado.

                 

Begônias

A Flora Fujimaki apresenta as suas novas begônias para o Natal. Uma mais linda do que a outra. A variedade Beleaf, no pote 06, lançada em novembro de 2020, foi melhorada geneticamente e possuí cores e brilho acetinados que se destacam das demais folhagens. Compacta e com preço mais acessível, é uma ótima sugestão para lembrancinhas ou para decorações minimalistas. No pote 15, as variedades vermelhas são eleitas para decorações de shoppings e para os jardins de inverno ou verticais. São usadas na formação de maciços e em conjunto com outras plantas. Para os colecionadores, a Begônia Brevirimosa, também lançada no mês passado, é um presente que vai agradar em cheio. Com o tempo, ela pode passar dos dois metros de altura. Possuí folhas que parecem envernizadas, num tom avermelhado com veios verde-escuro. Essa planta é recomendada para ambientes internos e bem iluminados. Necessita de adubação e troca de vaso somente após quatro ou seis meses da aquisição. Por fim, a Begônia Holandesa, no pote 15, é considerada um clássico das decorações. Com cores intensas, possui o buquê denso e uniforme que preenche qualquer espaço. Os maciços adensados ajudam a compor cenários com outras plantas e itens decorativos.

   

Flores do campo

O Rancho Raízes, especializado em crisântemos, recomenda a “Coleção Amore” para a decoração das festas de fim de ano. A coleção conta com cinco cores: laranja, vermelho, rosa, branco e amarelo. As flores são mais delicadas e menores, mas preenchem a embalagem perfeitamente. O produtor misturou, ainda, a beleza clássica das flores do Imperador com a irreverência dos vasos de barro bicolores e criou a “Aquarela Collection”. A roupagem, completamente inusitada, transformou o produto. Outra aposta do Rancho Raízes para as festas é a variedade Bless, que possui pequenas e delicadas flores do campo, no pote 11, com 30 cores e formatos diferentes e embalagem já pronta para presente. Os crisântemos, como flores do campo, garantem grande variedade de formatos e cores e oferecem muitas opções de decoração. Um vaso com flores brancas ou vermelhas, com o cachepô certo ou em uma embalagem complementada por laços dourados ou vermelhos são uma aposta certa também para presentes.E, o produtor Paco van der Louw, apresenta a alstroemeria Gypsy que traz duas tonalidades de cor, mudando gradualmente do laranja para a amarela.

                      

Árvore de Natal natural

Tendência no mercado internacional, a árvore de Natal natural já vem conquistando cada vez mais o coração dos brasileiros que sabem valorizar a natureza dentro de casa. As plantas verdes englobam vários benefícios, como a umidificação e limpeza do ar, redução dos níveis de estresse, estimulam a concentração, fornecem energia e acalmam os olhos. Além disso, o cheiro do pinheiro natural deixa a casa perfumada e combina muito com o clima de festas. As plantas mais utilizadas como árvores de Natal, no Brasil, são as tuias, que podem ser encontradas em duas variedades: a Holandesa e a Strickta. Como características, elas têm o formato piramidal, os troncos são retos e, as folhas, compostas por vários filamentos formados por pequenas escamas verdes. Essas árvores exigem rega diária e luz solar. Quando bem cuidadas, as árvores podem ser reutilizadas no ano seguinte. Em casas com jardim, a tuia pode ser transplantada.

No Brasil, a maior produtora de Tuias Holandesa é a fazenda Terra Viva, localizada em Holambra. Ela tem esse nome porque foi trazida ao país por um holandês, mas trata-se de um pinheiro da família das coníferas, originária da Inglaterra. Essa árvore tem tamanho compacto, sendo comercializada desde o pote 09, com 25 cm de altura, até o pote 24, atingindo o tamanho máximo de 1,50m. A árvore é formada por folhas verde-limão que, ao serem tocadas, exalam um suave perfume cítrico e, por isso, são também conhecidas como Tuia Limão. A Tuia Holandesa deve ficar em locais bem iluminados onde receba cerca de duas horas de Sol direto por dia. Em locais de clima ameno pode ficar sob luz solar direta em tempo integral. O cultivo em vaso necessita de regas diárias, com muita abundância de água. É importante deixar a terra sempre úmida. Não se deve molhar as folhas, pois a água parada nas folhas pode causar doenças e atrair pragas, como fungos.

A Tuia Strickta também pertence à família das coníferas, mas é originária do Sudeste da Ásia. Essa planta destaca-se por sua beleza, durabilidade e coloração verde-azulada. É uma árvore de tamanho compacto, comercializada desde o pote 14, com 60 cm de altura, até o pote 24, atingido o tamanho máximo de 1,20 m. Além de ser muito utilizada como decoração de Natal, está conquistando cada vez mais os paisagistas para utilização em jardins. O ideal para a Tuia Strickita é ser colocada em um jardim a pleno sol, onde pode atingir a sua beleza máxima. Em ambientes internos, sua permanência máxima é de 5 semanas. O cultivo em vaso exige regas diárias para que a terra permaneça sempre úmida. Em local adequado, a planta pode chegar até 5 metros de altura.

(via assessoria)

Compartilhar